Living Proof: retrato da biografia sonora de Buddy Guy

9 01 2011

Living Proof, lançamento de Buddy Guy em 2010

Hendrix já cancelou um show só para ir ao camarim de Buddy Guy dizer que tinha ‘roubado’ muitas idéias dele. Tempos depois, em 2010, o bluesman lança, aos 74 anos, “Living Proof” (Silverstone Records) e mostra porque, certa vez, foi reverenciado pelo maior guitarrista da história. O disco, construído como uma autobiografia sonora, brinda a sólida carreira de Guy.

O álbum começa com a canção “74 Years Young” (Hambridge, Nicholson). Um divisor de águas entre rural e urbano, Mississippi e Chicago. Na introdução, Guy toca seu violão de aço e parece cantar a história de sua vida. Mas, quando chega ao solo, dá o recado e mostra ao que veio: enlouquecer o som com um timbre de guitarra vibrante e ‘sujo’.

“Thank Me Someday” (Guy, Hambridge) é daqueles blues que parece ter sido ‘fermentado’ em um barril de uísque – o som é tradicional. Já em “On The Road” (Hambridge, Fleming) Guy pega uma estrada diferente e passeia pelo funk. Até chegar a um importante momento do disco – o primeiro de dois grandes encontros nesta obra.

Escute o discoCompre o disco

É na faixa “Stay Around a Little Longer” (Hambridge, Nicholson) que Buddy Guy se reencontra com BB King. Antes do dueto, a famosa guitarra Lucille se apresenta. E, na canção, os dois brindam a longevidade desse estilo centenário. BB King está com 85 anos e ainda toca e canta como um Rei do Blues. Assista ao vídeo.


Em “Key Don’t Fit” (Hambridge, Nicholson), Guy abre espaço para o pianista Reese Wynans e entrelaça, com as teclas do piano, todo o vigor das cordas de sua guitarra. É um blues mau, tenso, às vezes, bruto, mas que termina sutil – ao mesmo tempo, ácido. Confuso? São coisas de Buddy Guy. A percepção é que, nesta obra, tudo se encaixa no final.

A faixa que dá nome ao disco é um shuffle poderoso – desses pra fechar o olho e cantar junto. O refrão é marcante e é intercalado por belas vozes femininas. Na guitarra, Guy abandona sua Fender Stratocaster e ‘frita’ ao som da Telecaster. O timbre remete às guitarras rústicas do Mississippi feitas com corda de aço, de arame. É pesado.

Depois de “Living Proof” (Hambridge), acontece o segundo grande encontro do álbum. Buddy Guy toca “Where The Blues Begins”: um blues quente, latino, ao lado do guitarrista mexicano Carlos Santana. Em ‘Too Soon’ (Guy, Hambridge, Fleming), o blues tradicional volta com força total. É música pra tocar no salão e todo mundo dançar – a imagem que vem à cabeça é de uma festa jook joint dos negros norte-americanos.

Na vida de Buddy Guy não faltaram amores e, neste disco, não podia faltar um ‘slow’. Em ‘Everybody’s Got To Go’ (Guy, Hambridge, Fleming) ele flerta com um som mais pop, sem deixar de ser blues. Em”Let the Door Knob Hit Ya” (Guy, Hambridge), Guy mostra a mesma vitalidade de quando começou, no final dos anos 50.

Na faixa “Guess What” (Fleming, Hambridge) Reese toca seu hamond (órgão) e faz a base para, mais uma vez, Guy enlouquecer na guitarra. O instrumental “Skanky” finaliza a obra no melhor estilo ‘jam session’, quando Guy chama os amigos e faz um blues.

No disco “Linving Proof”, nada soa como novidade, afinal, é um apanhado da sonoridade de Guy ao longo da história. Ele é único, eterno.

Anúncios




Sunrise Blues Band realiza a primeira festa Jookjoint

21 01 2010

Jookjoint quer dizer lugar de festa. Já ouviu falar em jukebox? Então, vem daí… das baladas negras de anos idos! É música alta, para dançar, sentir e transpirar. Com este clima, a Sunrise Blues Band faz a primeira festa Jookjoint, nesta sexta-feira (22), às 22 horas, no Pin-up Bar e Burgueria, na Praia do Canto.

Além do velho blues, uma trinca de DJS sensacionais colocarão fogo na pista com muito folk, rock, funk, soul e rockabilly.Os convidados da Sunrise Blues Band para discotecar na noite são os músicos Tati Wuo (banda Mevoah), Danilo (Valvulla) e Macaco (Los Muertos Viventes). Os três prometem não deixar ninguém parado.

A Sunrise Blues Band inicia 2010 com um repertório repleto de homenagens aos grandes bluesmen do Mississippi e Chicago. Neste caldeirão de ritmos, não faltarão o som de Muddy Waters, Sonny Boy, Little Walter, Howllin’ Wolf e Stevie Ray Vaughan. Solos de guitarra e gaita, além de vocais viscerais deixarão as pedras rolarem nesta noite quente de verão.

Festa?

Jookjoint – 1ª edição
blues | rock | folk | funk | rockabilly

Quando?

Sexta-feira, 22 de janeiro, 22h

Banda?

Sunrise Blues Band

Djs?

Tati Wuo (Mevoah)
Danilo (Valvulla)
Macaco (Los Muertos Viventes)

Quanto?

R$ 8 até 23h
R$ 10 após 23h

Onde?
Pin Up
Av. Rio Branco, 1777 – loja 02
Praia do Canto,
próximo a Ponte Ayrton Senna
3315-9048 – Vitória





Rei do Blues de volta ao Brasil

20 01 2010

B.B. King confirmou, em seu site oficial, quatro apresentações no Brasil, em março. Os shows acontecem no Rio de Janeiro (dia 16), São Paulo (19 e 20) e Brasília (22).

As datas, parte da turnê One More Time, estão agendadas no Vivo Rio, Via Funchal e Centro de Convenções Ullisses, respectivamente. O Bourbon Street, responsável pela vinda do guitarrista, está buscando patrocínio para a realização de mais um show, que deve ocorrer na própria casa paulistana.

A última passagem de B.B. King no Brasil ocorreu em 2006, quando o bluesman apresentou sua turnê de despedida dos palcos, já que planejava parar de vez aos 80 anos (sua idade na época). King mudou de ideia e decidiu cair na estrada novamente.

Os preços para a apresentação em Brasília ainda serão anunciados. O valor dos ingressos para os shows em São Paulo e Rio de Janeiro, você confere abaixo.

B.B. King no Brasil
Rio de Janeiro
16 de março, às 21h30
Vivo Rio (Rua Dom Infante Henrique, 85, Parque do Flamengo)
Ingressos: R$ 500 (Vip Premium), R$ 450 (VIP), R$ 120 (Setor 3), R$ 280 (Setor 2), R$ 360 (Setor 1), R$ 240 (Frisas), R$ 300 (Camarote B), R$ 450 (Camarote A)
Informações: (21) 2272-2940/ www.vivorio.com.br

São Paulo
19 e 20 de março, às 21h
Via Funchal (Rua Funchal, 65, Vila Olímpia)
Ingressos: De R$ 110,00 (1/2 entrada Platéia 2) a R$ 600,00 (Setor Vip)
Informações: 11 3089-6999/ www.viafunchal.com.br

(Com informações da Rolling Stone)





Um blues de Natal

25 12 2009

Show da Sunrise Blues, no Teacher's PubNoite feliz com blues? É isso mesmo. Nesta sexta-feira, dia 25, a Sunrise Blues Band faz o show Crhistmas Blues, no Teacher’s Pub, Praia do Canto, Vitória. A banda completa sete anos de estrada e inicia a série de homenagens à Stevie Ray Vaughan. Em 2010, serão 20 anos sem o guitarrista texano e nesta festa, não faltará o som dele.

‘Pride and Joy’, ‘Texas Flood’, ‘Lovestruck Baby’… todos os sucessos de Stevie serão lembrados nesta noite. Vídeos clássicos do texano de Austin rodarão em um telão. No palco, a Sunrise Blues Band também fará sua homenagem, no entanto, irá além. A banda traz nesta noite um repertório com músicas de bluesmen que influenciaram Stevie Ray.

Muddy Waters, Willie Dixon e Freddie King são nomes influentes no blues e também não ficarão de fora desta grande festa. Além do blues tradicional, outro fato característico dos shows da Sunrise Blues Band é a constante participação dos músicos capixabas. É mais ou menos assim, os amigos da banda que chegam na noite acabam caindo no blues e participam do show.

Entre solos de gaita e guitarra, a noite de blues promete ser uma verdadeira confraternização dos amantes deste estilo ébrio, negro e centenário. O som do Mississippi e Chicago, mesmo com o passar do tempo, mantem-se vivo e ativo. A prova disso são noites como esta, no maior estilo jookjoint – as festas antigas dos negros norte-americanos.

A Sunrise Blues Band está na estrada empoeirada do som do Mississippi desde 2002. Muitos músicos já passaram pela banda e, este show, celebra um ano decisivo para o grupo. Em 2010, a Sunrise inicia a produção de seu primeiro disco autoral, com a pegada tradicional do gênero. Formada por Rodrigo Rezende (gaita e voz), Rodolpho Moraes (guitarra), Emerson Araújo (baixo) e Raul Orsini (bateria) a Sunrise promete uma manter a raiz do blues.

Vá lá!
Crhistmas Blues com Sunrise Blues Band
Onde. Teacher’s Pub – Rua Romulo Samorini,33, P. do canto
Quando. Sexta-feira (25), 21h
Couvert. R$10
Ouça. myspace.com/sunrisebluesband
Veja. http://www.youtube.com/watch?v=Zz2s0fR2_Lw&feature=player_embedded





Novo CD de Johnny Cash pode sair em 2010

25 12 2009

Os fãs de Johnny Cash (1932-2003), um dos nomes mais influentes da história da música pop, podem começar a esfregar as mãos. Um CD inédito do Man In Black deve chegar às lojas no dia 23 de fevereiro.

Segundo informações do site oficial do artista, o lançamento ocorrerá nessa data para marcar a comemoração do que seria o aniversário de número 78 do cantor, compositor e músico americano.

Segundo o site da Amazon, uma das maiores lojas de venda online, o título do álbum será American VI: Ain’t No Grave. A produção mais uma vez é de Rick Rubin, e as gravações foram feitas em 2003, ano em que o grande mestre nos deixou.

O repertório divulgado na mesma Amazon inclui dez músicas, entre elas uma de Sheryl Crow (Redemption Day) e outra de Kris Kristofferson (For The Good Times). O site oficial do artista prefere não confirmar nenhuma música.

A produção é, novamente, de Rick Rubin, fundador da história gravadora Def Jam e depois da American, que ajudou a revigorar a carreira de Johnny Cash ao contratá-lo. A série American Recordings teve início em 1994.

Os discos procuravam mostrar Johnny Cash relendo músicas de autores das novas gerações, mas sempre de seu jeito áspero e sombrio. A aposta deu certo, e os cinco volumes de American Recordings venderam (e ainda vendem) muito bem.

Fundamental para a história do rock e da country music, Johnny Cash teve parte de sua vida apresentada no filme Walk The Line (no Brasil, Johnny & June), focado no seu romance com a também cantora June Carter.

No cinema, ele foi vivido por Joachin Phoenix, e sua esposa, por Reese Witherspoon. Ela ganhou um Oscar por sua atuação. Johnny Cash morreu aos 71 anos no dia 12 de setembro de 2003, quatro meses após a morte de sua amada June. (Com informações do R7)





ZZ Top vem ao Brasil em maio de 2010

20 12 2009

ZZ Top confirma duas apresentações no país

Os barbudos do ZZ Top confirmaram shows no Brasil no ano que vem. Na primeira passagem pelo país, a banda se apresentará nos dias 20 e 21 de maio, na Via Funchal, em São Paulo. Informações sobre a venda de ingressos ainda não foram divulgadas.

Na metade de outubro, a produtora Alive Concerts havia confirmado shows do trio em 10, 12 e 13 de dezembro de 2009, na Via Funchal e Espaço das Américas, em São Paulo, e no HSBC Arena, no Rio de Janeiro. Não foi informado o motivo da mudança. Desta vez, as datas foram confirmadas pelo trio no site oficial. (Com informações da Rolling Stone)





Miles Davis, “tesouro nacional”

16 12 2009

O Congresso norte-americano aprovou uma resolução para comemorar os 50 anos da publicação de “Kind of Blues”, disco do trompetista Miles Davis (1926-1999). O álbum é considerado uma das gravações chave para a história do jazz e da música estadunidense em geral. O texto considera o jazz como ‘um tesouro nacional’ e o Governo deve adotar as medidas necessárias para preserva-lo.

O disco, um dos mais vendidos e influentes da história do gênero, contou com a colaboração dos saxofonistas John Contrane e Julian Cannonball Adderley, com os pianistas Bill Evans e Wynton Kelly, o baixo de Paul Chambers e bateria de Jimmy Cobb.

A resolução, aprovada de forma unânime com o voto dos 409 legisladores presentes, foi promovida pelo congressista democrata John Conyers, que destacou que o disco “é um retrato da história musical do país e, de certa forma, do mundo”.

O álbum foi publicado pela Columbia Records, em agosto de 1959, e teve um impacto que foi além do jazz, influenciando artistas de outros gêneros como Carlos Santana e Allman Brothes. (Com informações do El Pais)